CEIA indica ► IV Simpósio Nacional e III Internacional de Estudos CELTAS E GERMÂNICOS

MITOLOGIA E RELIGIOSIDADE

http://celtasgermanos2010.blogspot.com/

Published in: on 31/05/2010 at 15:23  Deixe um comentário  

Fernando Brandão dos Santos faz a Conferência de Abertura da XII Jornada de Estudos da Antiguidade

"O tema da viagem na tragédia grega: a viagem de Alceste e a de Ifigênia" é a Conferência de Abertura no dia 24/05/2009 às 17h.

Prof. Dr. Fernando Brandão dos Santos (FCLar-UNESP) é autor, entre outras obras,  da tradução para o português da tragédia FILOCTETES  de  Sófocles, publicada (com introdução e notas também de sua autoria) em 2008 pela Odysseus Editora, e, com outros helenistas brasileiros,  do Dicionário Grego-Português em 5 volumes.

A obra organizada pelas Profas. Dras. Daisi Malhadas, Maria Celeste Consolin Dezotti e Maria Helena de Moura Neves, todas da UNESP Araraquara, traz também em sua equipe de autores as Profas. Dras. Silvia Damasceno e Gloria Braga Onelley,  integrantes do CEIA-UFF.

Restando ainda a publicar o 5º volume (os anteriores foram lançados em 2006: alfa-delta, 2007: epsilon-iota, 2008: kappa-ômicron e 2009: pi-rho), linguagem clara e de fácil consulta, a obra apresenta aproximadamente 50 mil entradas e inclui vocabulário do Novo Testamento, verbetes complexos em quadros explicativos, informações dialetais, etimologia, definições e exemplos, regência nominal e verbal: “O que se pretendeu foi uma obra que, sem abrir mão de rigor científico e metodológico, marcasse-se pela clareza e simplicidade e oferecesse fácil consulta aos não-especialistas, fornecendo respostas diretas, convenientemente dosadas para subsidiar as atividades de leitura e tradução do grego clássico e bíblico.”

Fernando Brandão dos Santos é também um dos fundadores do Grupo GIZ-EN-SCÈNE de Leituras Dramatizadas de Textos Clássicos, cujo objetivo fundamental é proporcionar “uma aproximação prazerosa dos interessados em teatro da Antiguidade com os textos de variado gênero que compõem o rico repertório dessa tradição.”

Formado em 1987 por professores e alunos de Grego e Latim da FCL-UNESP-Araraquara, e por um professor de Sânscrito da FFLCH-USP (o Prof. Dr. Carlos Alberto da Fonseca, ex-presidente, como Fernando, da SBEC, Sociedade Brasileira de Estudos Clássicos), nesse afã de colocar em circulação os textos do teatro clássico, resultou-lhe um repertório de numerosas peças gregas, latinas e indianas.

Os velhos tebanos do coro da "Antígona" de Sófocles, no centro Fernando Brandão dos Santos: cena da leitura dramatizada da tragédia apresentada durante a XV Semana de Estudos Clássicos em Araraquara (2000). Foto: J. A. Rosa.

Published in: on 23/05/2010 at 6:21  Deixe um comentário  

Onde assistir as atividades da XII Jornada de Estudos da Antiguidade?

Como acontece já por vários anos, as atividades de instalação da Jornada em 2010, no dia 24/05 às 17h (credenciamento, apresentação do Coral Audite Noua e conferência de abertura ministrada pelo Prof. Dr. Fernando Brandão, UNESP) ocorrem no Auditório Macunaíma (sala 405, Bloco B), Instituto de Letras da Universidade Federal Fluminense.

Já as  demais atividades, no decorrer da semana, de 25 a 28 de maio, estão distribuídas pelo campus do Gragoatá (Niterói, RJ) entre os blocos C e O, conforme o quadro abaixo.

Para 1) a alocação das comunicações em suas respectivas sessões vide “Programa das Sessões de Comunicação”; 2) a designação atualizada dos minicursos (alguns tiveram a sua numeração alterada) verifique “Sumário das Propostas dos Minicursos”; 3) programa das conferências e mesas, além de outras informações visite “XII Jornada de Estudos da Antiguidade” (clique nas expressões aspeadas para ir às páginas assinaladas).

* 1-O é a Sala 01, Bloco O, no 5º andar (Auditório da Pós Graduação de História); Espaço Cult. é o Espaço Cultural do Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Bloco O, no Térreo.

Abertas inscrições presenciais para a XII Jornada de Estudos da Antiguidade

Acham-se abertas, a partir do dia 17/05/2009, as inscrições presenciais para a XII Jornada de Estudos da Antiguidade na sede do CEIA (Centro de Estudos Interdisciplinares da Antiguidade) nos seguintes horários:

2ª feira – 9 às 17:30h

3ª feira – 8 às 16h

4ª feira – 9 às 17:30h

5ª feira – 11 às 17:30h

As inscrições on line, para quem preferir, continuam valendo, é só ir ao site www.historia.uff.br/ceia

A sede do CEIA é na sala 310, bloco C, no campus Gragoatá da Universidade Federal Fluminense (Niterói, RJ).

Published in: on 16/05/2010 at 9:18  Deixe um comentário  

Sumário das Propostas dos Minicursos na XII Jornada de Estudos da Antiguidade

Minicurso 01

INTRODUÇÃO AOS TEMAS DA COSMOLOGIA CELTA POR MEIO DA ARTE DA SEGUNDA IDADE DO FERRO

Ministrante: Prof. Dr. Filippo Lourenço Olivieri (CEIA-UFF)

Horário: 3ª, 4ª e 5ª feira, 08 às 10h.

Identificar na arte celta da Segunda Idade do Ferro elementos que permitam construir um esboço da cosmologia dos povos celtas. Devido à tradição oral muito pouco se sabe sobre essa cosmologia. Contudo, é possível interpretar o significado predominantemente religioso de certas representações dessa arte.

Minicurso 02

A CIDADE NO EGITO ANTIGO: ORIGENS E DESENVOLVIMENTO

Ministrante: Prof.ª Me. Liliane Cristina Coelho (CEIA-UFF; ITECNE-PR)

Horário: 3ª, 4ª e 5ª feira, 08 às 10h.

Apresentar ao público algumas das características que diferenciam a cidade egípcia de outras cidades antigas, por meio das especificidades inerentes à escrita e ao espaço egípcio.

Discutir as mudanças ocorridas ao longo dos diferentes períodos da história egípcia, especialmente após a dominação grega no século IV a.C.

Discutir modelos de cidades, que representem os diferentes períodos da história do Egito antigo.

Minicurso 03

RELIGIÃO TEMPLÁRIA NO ANTIGO EGITO: FARAÓ, DEUSES E CULTO

Ministrantes: Prof.ª Me. Gisela Chapot (CEIA-UFF) e Prof.ª Me. Maria Thereza David João (CEIA-UFF)

Horário: 4ª, 5ª e 6ª feira, 08 às 10h.

Demonstrar a relação da figura do faraó com a provisão de oferendas divinas e funerárias durante momentos específicos da história faraônica em contraposição com o período amarniano.

Apontar as modificações religiosas feitas por Akhenaton nos contextos templário e mortuário, identificando suas implicações tanto no relacionamento entre homens, deuses, mortos e rei, quanto na ordenação do universo e na manutenção da vida em todas as esferas concebidas pelos egípcios.

Minicurso 04: suspenso por motivos de força maior.

Minicurso 05 (durante a Jornada designado como Oficina 01*)

TRADUÇÃO DAS SÁTIRAS DE HORÁCIO

Ministrante: Prof.ª Dr.ª Edna Ribeiro Paiva (CEIA-UFF)

Horário: 3ª, 4ª e 5ª feira, 10 às 12h.

Leitura, tradução, métrica e comentários linguísticos e culturais de textos selecionados das Sátiras de Horácio.

Pré-requisito: conhecimento de língua latina correspondente a Latim IV.

Minicurso 06 (durante a Jornada designado como Oficina 02*)

NUMISMÁTICA E HISTÓRIA ANTIGA

Ministrante: Prof. Dr. Cláudio Umpierre Carlan (CEIA-UFF, Unifal-MG, Fapemig)

Horário: 5ª feira, 18 às 21h.

Qualquer signo, mesmo o iconográfico gravado segundo processos físicos ou naturais é construído segundo regras determinadas que impliquem convenções sociais. Ela circula de fato nos três níveis, sendo simultaneamente ícone, índice e símbolo convencional. Os povos que habitavam o vasto Império Romano tinham conhecimento de que o busto representado naquela diminuta peça de bronze, prata ou ouro era do seu governante. Essa influência passaria para os jovens reinos bárbaros / germânicos, que se declaravam herdeiros de Roma, atingindo os Estados Nacionais do início da Era Moderna e também nossa sociedade contemporânea.

Minicurso 07 (durante a Jornada designado como Minicurso 04)

DOR E VIOLÊNCIA NO IMAGINÁRIO DA MORTE

Ministrantes: Prof.ª Me. Evelyne Azevedo (CEIA-UFF, UERJ) e Prof.ª Me. Manan Terra (UERJ).

Horário: 3ª, 4ª e 5ª feira, 18 às 20h.

A morte é um tema recorrente ao longo de toda a História da Arte, seja ela tranquila ou violenta, calma ou dolorosa, suas diferentes representações remontam à Antiguidade cujo repertório de temas foi reutilizado pelos períodos posteriores, ditos classicistas. O curso tem como objetivo, portanto, tratar das mortes em que a dor e a violência sejam o principal elemento do drama descrito nas obras de arte através da análise de objetos artísticos escolhidos a partir deste fio condutor e cuja temática tenha sido apropriada ao longo dos séculos XVI a XIX.

Minicurso 08 (durante a Jornada designado como Minicurso 05)

RELIGIÃO E MITOLOGIA NO ANTIGO EGITO E NA MESOPOTÂMIA

Ministrante: Prof. Me. Moacir Elias Santos (CEIA-UFF; ITECNE-PR)

Horário: 3ª, 4ª e 5ª feira, 18 às 20h.

Expor ao público o imaginário religioso dos povos que habitaram a região do Antigo Oriente Próximo, e suas influências marcantes em suas respectivas sociedades. Apresentar as opiniões recentes sobre temáticas antigas que ainda encontram-se difundidas entre muitos autores. Comparar os inúmeros temas propostos apontando suas semelhanças e diferenças entre as sociedades do Antigo Egito e da região da Mesopotâmia.

(* Os minicursos na modalidade de oficina têm como proposta central a experiência no trato direto com as fontes através da aplicação de métodos e técnicas visando a sua interpretação e crítica.)

Inscrições podem ser feitas apenas para o(s) minicurso(s), minicurso(s) e Jornada ou só Jornada, vide em XII Jornada de Estudos da Antiguidade: www.historia.uff.br/ceia

Obs.: na inscrição, ANTES do início da Jornada, seja ela on line ou presencial, em qualquer minicurso,  vale a numeração antiga desses minicursos (de 01 a 08)

Published in: on 13/05/2010 at 16:27  Deixe um comentário  

Desvendando a Anatomia do Macaco – o Pré-Capitalismo em Perspectiva

Primeira Jornada de Trabalho do Núcleo Interdisciplinar de Estudos sobre Marx e o Marxismo

Vide Folder NIEP-PréK: Programação da I Jornada do Núcleo

Programa das Sessões de Comunicação da XII Jornada de Estudos da Antiguidade*

25/05 (3ª Feira, 10 às 12h)

Sessão I

# O sofrimento das mulheres no pós-guerra nas tragédias Hécuba e Troianas de Eurípides (Brian Gordon Lutalo Kibuuka)

# Gerações e  política: As visões de Sófocles e Eurípides (Guilherme Moerbeck)

# Questões sobre o feminino em As Tesmoforiantes de Aristófanes (Mariana Figueiredo Virgolino)

Sessão II

# O Rito da Hospitalidade na Grécia Antiga (Flavia Villa Real)

# Aristocracia e luta política na Grécia Arcaica (Thiago Henrique Oliveira Prates)

# A individualidade do herói na Ilíada de Homero (Renata Cardoso de Sousa)

Sessão III

# O Mundo Greco-Romano e Konstandinos Kavafis: Diálogos entre a História e a Poesia (Victor Ribeiro Villon)

# Ilhas: espaços da metáfora (Maria Soledad Morandeira de Paz)

# O Revisionismo da Antiguidade e a Criação de uma Teoria da Arquitetura no Rio de Janeiro (Renato Menezes Ramos)

Sessão IV

# Alea iacta est! César e o poderio militar romano no Bellum Gallicum (Ana Paula Barbosa de Andrade)

# O perfil de Orgetorix segundo Caius Iulius Caesar no De Bello Gallico (Vanessa Lanes Meirelles)

# O valoroso arverno Vercingetorix no Bellum Gallicum (Luciana Mourão Maio)

# Desconstruindo o imaginário heróico de Cesar com Asterix (Douglas Gonçalves de Souza)

Sessão V

# O tema da viagem e o seu imaginário na sátira e na lírica romanas (Ana Lúcia Silveira Cerqueira)

# A viagem de Enéias à morada dos espíritos (Bianca Bartira Genildo da Silva)

# A Troia Capta de Virgílio: uma viagem do “pius Aeneas” para a fundação da “Roma Aeterna (Thiago da Silva Pinheiro)

Sessão VI

# “E os que crêem falarão línguas estranhas” – notas sobre a glossolalia no mundo antigo (Geziel Zago Bastos de Sousa)

# A Criação da “Exegese Latina”. A Viagem do Imaginário e da Interpretação: Uma viagem do saber hermenêutico do Oriente Grego cristão no Egito às novas Letras Latinas em diversas regiões do Império Romano. Um estudo da obra de Manlio Simonnetti. (Pedro Paulo Alves dos Santos)

# Hebreus no Brasil? (Jane Bichmacher de Glasman)

26/05 (4ª Feira, 10 às 12h)

Sessão VII

# A morte nos Poemas Homéricos: A viagem da Psykhé para o Hades (Alex Fabiano Campos Gonçalves)

# Uma viagem inaugural: as rotas da maturidade de Telêmaco (Alexandre Santos de Moraes)

# A viagem de Telêmaco e a promessa de Atena: o filho do herói e a obtenção de kléos esthlón entre seus pares na Odisseia de Homero (Marcelo Sussumu Takahashi)

Sessão VIII

# Os mercadores: a representação social de Ambrósio de Milão (Alter Rodrigues Elvas Cordeiro)

# Romanização e as moedas alexandrinas (Caroline Oliva Neiva)

# A Igreja no século IV: A superação do politeísmo romano através das cartas de Ambrósio de Milão (Jessika Rezende Souza)

# \Homem ao mar\: os perigos e encantos marinhos num mosaico afro-romano (Regina Maria da Cunha Bustamante)

Sessão IX

# \Naukleros\ e \Emporos\: Apontamentos de um debate historiográfico sobre o status dos comerciantes marítimos gregos (Alexandre Galvão Carvalho)

# O conceito de fronteira étnica e suas utilizações para a História Antiga (Ana Carolina Pereira Ferreira)

# Novas perspectivas metodológicas na abordagem dos “Agrônomos Latinos” (José Ernesto Moura Knust)

# A ideologia da realeza no Antigo Egito: A repercurssão de Kingship and the Gods (André Luís Silva Effgen)

Sessão X

# A invenção do Senatus Consultum Ultimum: o contexto dos Graco (Shirley Mariano da Costa Sanchez)

# As Duas Guerras Servis da Sicília (135-102 A . C.): Estoicismo e Escravidão (Sônia Regina Rebel de Araújo)

# A propaganda da Primeira Tetrarquia (284-305): uma reflexão (Diogo Pereira da Silva)

# A cultura escrita no Império Romano dos séculos IV e V d.C. (Márcia Santos Lemos)

Sessão XI

# Enéias: o arquétipo do uir romanus (Bianca Bartira Genildo da Silva)

# Considerações sobre a figura do líder na Eneida (Luciana Antonia Ferreira Marinho)

# Anfitrião: a imagem do general tebano após sua viagem, exposta por deuses espertos e um escravo covarde (Beethoven Barreto Alvarez)

Sessão XII

# O Imaginário do Tribunal no Reino Novo (Patricia Cardoso Azoubel Zulli)

# Modificações nos ataúdes egípcios durante o Reino Novo e sua implicação para o estudo da religião funerária (Moacir Elias Santos)

# Visões sobre a morte no Antigo Egito: uma análise do Diálogo de um homem com seu ba (Maria Thereza David João)

27/05 (5ª Feira, 10 às 12h)

Sessão XIII

# Biografia e ficção em Sobre o fim de Peregrino, de Luciano de Samósata (Douglas Cristiano Silva)

# Héracles e Diógenes: conversa de espectros no Hades (Flávia Freitas Moreira)

# Aventuras no Mediterrâneo Oriental: as viagens de Leucipa e Clitofonte (Rosana da Costa Maia)

Sessão XIV

# Representações da Loucura no Fedro de Platão (Priscila Céspede Cupello)

# As aventuras e viagens (em fuga) do deus Dioniso narradas pelas Tragédias, Dramas Satíricos do século V a.C. e Hinos Homéricos do século VI a.C. (Vanessa Ribeiro Brandão)

# Um ponto de convergência entre Baco e os Ludi Circenses (Thaiz Carvalho Senna)

Sessão XV

# O Imaginário e a Iconografia Monetária (Cláudio Umpierre Carlan)

# Analisando os Diálogos Culturais na Ásia Central da Época Helenística a Partir da Iconografia Numismática (Italo Diblasi Neto)

# As imagens dos nautai: a métis de Odisseu (Camila Alves Jourdan)

Sessão XVI

# Prometeu e o Fogo Sagrado no Imaginário Ocidental: Um Estudo da Progressão Referencial na Fábula de Hyginus (Rachel Maria Moraes)

# Fábulas de Fedro: histórias ou alegorias? (Leonardo Ferreira de Almeida)

# A relação entre as Fábulas de Fedro e A arca de Noé, de Vinicius de Morais (Tatiana Felix Façanha)

# A influência helênica e judaica na literatura Romena (Josiane Felix dos Santos)

Sessão XVII

# Um estudo da recepção de deuses semíticos na religião egípcia (Bruno dos Santos Silva)

# Brincar, aprender, crescer: ser criança no Egito do Reino Médio (Liliane Cristina Coelho)

# Cultos solares no Oriente Próximo da antiguidade: o caso do Egito faraônico (Marcio Luiz Ramos D’Albuquerque)

28/05 (6ª Feira, 10 às 12h**)

Sessão XVIII

# Testemunhos do Jambo Grego Arcaico: Um estudo do gênero e das fontes (Lígia Ferreira Barison)

# Amor e dor na poesia de Safo de Lesbos (Marina Pelluci Duarte Mortoza)

# Comentário ao poema 14 de Baquílides (Gustavo Henrique Montes Frade)

# Moral, justiça e competitividade em Homero (Carlos Eduardo de Souza Lima Gomes)

Sessão XIX

# A hybris dos reis nas Histórias de Heródoto (Letícia Lopes Damasco)

# Traços da alteridade nos textos gregos (Pedro Vieira da Silva Peixoto)

# A religião egípcia em Plutarco (Marcelo Miranda Vilela)

# Baudolino, de Umberto Eco, e formas de narrar a História (Carlos Fernando de Quadros)

Sessão XX

# “As diversas faces da moeda”: constituindo saberes e práticas (Eduarda Angelim Soares Souza)

# “Todos os caminhos levam a Roma”: construindo conhecimento sobre o cotidiano da Antiguidade Romana (Rui da Cruz Silva Junior)

# Oficina Pedagógica “Com a mão na massa”: desvelando a Antiguidade Clássica (Regina Maria da Cunha Bustamante)

Sessão XXI

# Sátiras de Horácio: Comentários Lingüísticos (Edna R. Paiva)

# Estudo do Vt e suas Múltiplas Funções no Período Latino (Maria Lúcia Malheiros Cardoso)

# A Expressão da Ordem em Latim (Maria Nazaré Achão Assunção)

* Para as demais atividades da XII Jornada de Estudos da Antiguidade (conferências, mesas redondas, minicursos entre outras) vide www.historia.uff.br/ceia

** Na sexta-feira, a exemplo dos demais dias e diversamente do divulgado no site, o horário das sessões de comunicação passou a ser de 10 às 12h.