Cronograma Completo e Resumos ROMA AETERNA: Palestras de Set/Out/Novembro

Curso de Extensão: “Roma Aeterna, decadência ou novos caminhos: Leituras interdisciplinares”

Cronograma

Horário: 14h às 16h

Palestras do Mês de Setembro

Dia 18 (Sala 501-C)

As matrizes historiográficas sobre o Baixo Império: algumas reflexões

Norma Musco Mendes (História / UFRJ)

Triskele

Dia 10 (Sala 501-C)

De Ciuitate Dei”, a Cidade Antiga na aurora da teologia política tardo-antiga e cristã: Santo Agostinho, Testemunha e Teólogo da “Queda de Roma” ( 421 d.C.)

Pedro Paulo Alves dos Santos (Letras / UNESA)

Triskele

Dia 15 (Sala 501-C)

Império Romano sécs IV e V: decadência ou início de uma Nova Era?

Cláudio Umpierre Carlan (História / UNIFAL – MG)

Triskele

Dia 17 (Sala 501-C)

A dialética de Vergílio em Calpurnio Sículo

Leonardo Ferreira de Almeida (Letras / UFF)

Triskele

Dia 22 (Sala 501-C)

Qual Roma? Antiguidade Tardia, a história de um conceito

Manuel Rolph De Viveiros Cabeceiras (História / UFF)

Triskele

Dia 24 (Sala 214-C)

Sob o Signo da Cruz: a Igreja e o latim clássico

Antonio Marcos Pimentel (Letras / UFF)

(transferida para o dia 12 de novembro de 2009, sala 405, bloco B)

Triskele

Dia 29 (Sala 501-C)

Vegécio e o De Re Militari – tradição e inovação na estrutura bélica de Roma no século IV

Álvaro Alfredo Bragança Junior (Letras / UFRJ)

Triskele

Palestras do Mês de Outubro

Dia 01 (Sala 501-C)

Ísis – Encantos e metamorfoses de uma deusa egípcia na Roma Antiga

Nathália Esteves da Silva (Letras / UFF)

Triskele

Dia 06 (Sala 501-C)

Clóvis, rei bárbaro ou um “novo Constantino”? A Gália merovíngia e o mundo romano

Edmar Checon de Freitas (História / UFF)

Triskele

Dia 08 (Sala 501-C)

O discurso do “exílio” de Rutilius Namatianus

Livia Lindóia Paes Barreto (Letras/ UFF)

Triskele

Dia 13 (Sala 501-C)

O discurso fabulístico de Fedro e Aviano: conflitos e percepções da sociedade romana

Ana Thereza Basílio Vieira (Letras / UFRJ) &

Jefferson Roosevelt Ferreira de Souza (Letras / UFRJ)

Triskele

Dia 20 (Sala 501-C)

Eros e Romance: reflexões sobre o Asno de Ouro de Apuleio

Arlete José Mota (Letras / UFRJ) &

Carlos Henrique Santos Figueiredo (Letras / UFRJ)

(transferida para o dia 17 de novembro de 2009, sala 212, bloco C)

Triskele

Dia 22 (Sala 501-C)

Tradição e Inovação no Rapto de Prosérpina de Claudiano

Paula Brauner (Letras / UFPel)

Triskele

Dia 27 (Sala 501-C)

A Antiguidade na Arte da Idade Média

Manan Terra Cabo (História da Arte / UERJ)

Triskele

Dia 29 (Sala 501-C)

Os Caminhos da Arte na Antiguidade Tardia

Evelyne Azevedo (História da Arte / UERJ)

Triskele

Palestras do Mês de Novembro

Dia 03 (Sala 501-C)

A Roma de Gregório Magno, Servus Servorum Dei: primeiras reflexões.

Maria Eugênia de Mattos Lucksinger (História / UFAM)

Triskele

Dia 05 (Sala 501-C)

A Roma de Gregório Magno, Servus Servorum Dei: segundas reflexões.

Maria Eugênia de Mattos Lucksinger (História / UFAM)

Triskele

Dia 10 (Sala 212-C)

Entre o Mundo Antigo e o Mundo Moderno: o Medievo Latino

Guido Alberto Bonomini (Letras / UFF)

Triskele

ACONTECERAM: RESUMOS

PALESTRA DE ABERTURA (08/09/2009)

As matrizes historiográficas sobre o Baixo Império: algumas reflexões

Profª Drª Norma Musco Mendes (UFRJ)

Exposição e análise das principais explicações sobre a desestabilização do Império Romano com o objetivo de refletir sobre os fatores que teriam provocado o “colapso” do sistema de domínio imperial romano.

2ª PALESTRA (10/09/2009)

“De Civitate Dei”, a Cidade Antiga na aurora da teologia política tardo-antiga e cristã: Santo Agostinho, Testemunha e Teólogo da “Queda de Roma” (421 d.C.)

Prof. Dr. Pe. Pedro Paulo Alves dos Santos (UNESA)

A crise do Império Romano, com o fim da política da pax romana, em 410, o assalto a Roma por Alarico, permitirá ao Cristianismo ‘pós-constantiniano’ forjar sua “forma ocidental e latina”, que plasmará toda a Idade dita Medieval. Mas não sem um preço bem determinado: a era dos ‘assaltos’ bárbaros legou a este momento histórico uma dura herança que, generalizada, obteve para a Idade Média o termo ‘obscuro’. A theologia politica de Santo Agostinho, em De Civitate Dei (séc. V) é um marco historiográfico de construção das estratégias da nova religião ‘imperial’, que através da ‘escatologia’ (teologia do tempo histórico) sanciona o fim da antiga Cidade, como emancipação do paganismo (MARAFIOTI, 2002). De fato, nesta obra imensa S. Agostinho se empenhou em um cerrado diálogo com a cultura de seu tempo, confrontando os vários setores do conhecimento humano entre si e com a Mensagem do Evangelho, tendo com o finalidade denunciar com lógica inexorável a insuficiência de um saber longínquo de Deus, valorizando todos os elementos de verdade, mesmo os mínimos, encontrados na pesquisa dos seculares e úteis para compreender melhor a Fé (SIMONETTI, 1996).

3ª PALESTRA (15/09/2009)

Império Romano, séculos IV e V: decadência ou início de uma Nova Era?

Prof. Dr. Cláudio Umpierre Carlan (UNIFAL–MG)

Análise das questões políticas relativas ao mundo romano durante o governo de Constantino I o Grande a partir do estudo das moedas cunhadas no período e de seu uso como instrumento de propaganda e de legitimização do poder imperial.

4ª PALESTRA (17/09/2009)

A dialética de Vergílio em Calpurnio Sículo

Leonardo Ferreira de Almeida (UFF)

dia 22 de setembro (Sala 501-C)

Qual Roma?

Antiguidade Tardia, a história de um conceito

Prof. Me. Manuel Rolph Cabeceiras (UFF)

Associação e distinção entre cultura e política nos modelos explicativos sobre a desagregação do Império Romano. As imagens interpretativas e o mito de Roma. A ideia de Antiguidade Tardia e a proposta de uma nova Roma: percurso e significado historiográfico.

dia 24 de setembro (Sala 214-C)

Sob o Signo da Cruz: a Igreja e o latim clássico

Prof. Me. Antonio Marcos Pimentel (UFF)

Com o crescimento do Cristianismo nos primeiros séculos de nossa Era, também a Igreja Católica se organiza enquanto instituição, lastreada por uma grande quantidade de textos que formam o cânone fundamental da teologia cristã. Além desses textos fundamentais, outros textos de exaltação e profissão de fé cristã foram escritos fora dessa organização institucional e ortodoxa ainda em construção, de uma autonomia religiosa quase (e muitas vezes inteiramente) pagã. A língua utilizada para estas duas vertentes de textos-base da Igreja Católica foi, como se sabe, o latim, mas um latim que já não era clássico e que já não atendia mais a certas necessidades culturais, e sim às novas necessidades da mentalidade cristã. Entre o latim clássico e o latim medieval, a Antiguidade Tardia Cristã escreveu um latim de características próprias, que conseguiu se dissociar linguística e semanticamente do primeiro e, ao mesmo tempo, não constituiu um estilo posteriormente consagrado pelo segundo. Neste trabalho, examinaremos alguns textos dessa época sob o ponto de vista morfossintático, privilegiando o debate sobre a questão da História de Mentalidades e a sua relação com a evolução linguística, no caso, do latim.

Publicado on 10/09/2009 at 7:26  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://ceiauff.wordpress.com/cronograma-roma-aeterna-palestras-de-setembro/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: