Hoje, 24/06, lançamento na PUC-Rio, de obra póstuma de Emanuel Bouzon sobre Direito Cuneiforme

Emanuel BOUZON (1933-2006), patrono dos assiriólogos brasileiros, foi ordenado padre em 1958, especializou-se em Assiriologia, Egiptologia, Semitística e História Antiga na Westfälische Wilhelms-Universität de Münster (1960-1964), a quarta maior e uma das mais antigas universidades da Alemanha, onde estudou com o célebre orientalista Wolfram von Soden.  Logo a seguir, retornou ao Pontifício Instituto Bíblico (Roma, 1964-1969), para fazer o Doutorado em História Antiga e Medieval. Neste Instituo já tinha obtido o seu Mestrado em 1960. Em 1988 obteve, de volta à Münster, o Pós-Doutorado. Um dos fundadores do Departamento de Teologia da PUC-RJ, universidade onde trabalhou por mais de quarenta anos, atuou também como um dos tradutores da Bíblia de Jerusalém (Jeremias, Profetas Menores) para o português.

Em sua vasta produção acadêmica ainda se destacam as traduções, diretamente dos originais cuneiformes, com comentários, do Código de Hammurabi (com 10 edições de 1976 a 2003), as Cartas de Hammurabi, os contratos pré-hammurabianos do Reino de Larsa, as Leis de Eshnunna.  Nos últimos anos de vida estava empenhado naquela que seria a primeira tradução portuguesa da Epopéia de Gilgamesh diretamente do texto acádico, na verdade chegando quase a concluí-la (achava-se já no 12º tablete).

ENSAIOS SOBRE O DIREITO CUNEIFORME tem prefácio e revisão do acádio de Katia Pozzer, discípula e amiga de Bouzon,  doutora pela Universidade de Sorbonne e professora na Universidade Luterana do Brasil, RS).

“Bouzon foi um importante estudioso dos estudos bíblicos, uma área que já tinha tradição erudita no Brasil, ele agregou o rigor e a crítica histórica. Porém, em relação aos estudos do mundo mesopotâmico, Bouzon foi pioneiro no Brasil. Ele nos deixou uma herança esplêndida: seriedade, rigor, erudição na pesquisa para tornar este mundo antigo oriental mais acessível aos estudantes brasileiros.” (Katia Pozzer)

Baixe e leia em pdf texto postado na página da Universidade de Lisboa (clicar no título do texto): Emanuel BOUZON – Lei, ciência e ideologia na composição dos “códigos” legais cuneiformes

O CEIA no XIX Ciclo de Debates em História Antiga: ENCONTROS E ENFRENTAMENTOS

Prof. Ciro Flamarion Cardoso, coordenador pela História do CEIA-UFF, profere conferência de abertura do XIX Ciclo de Debates em História Antiga na UFRJ: Deslocamento e alteridade: a associação da distância e da viagem com com o estranho e o maravilhoso entre os antigos egícios.

Ainda durante o Ciclo, o Grupo de Estudos de História Militar (GEHM-CEIA-UFF) apresenta uma mesa redonda na 4ª feira, dia 02 de setembro, das 18 às 20:30h, na sala 106.

O Ciclo de Debates, promovido pelo Laboratório de História Antiga (LHIA-UFRJ), ocorre de 31 de agosto a 04 de setembro de 2009, no prédio do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ, sito no Largo de São Francisco de Paula nº 01, Centro, Rio de Janeiro, RJ.

Vide na barra lateral resumo das atividades do CEIA no XIX Ciclo do LHIA-UFRJ.